DESAPROPRIAÇÃO DO IMÓVEL RURAL, ONDE ESTÁ LOCALIZADA A COVA DE LEOCÁDIA

 

O então vereador Lino Teixeira, apresentou na Câmara de Vereadores de Guanambi, no ano de 1963, Projeto Lei, visando tornar de utilidade pública a área onde está localizada a cova de Leocádia, no total de 1(um) hectare.

Na justificativa do projeto, o vereador teve a orientação do seu pai, Domingos Antonio Teixeira, que narrou à história de Leocádia, que foi posteriormente publicada em 1991, no livro “Respingos Históricos”. O historiador Domingos Antônio Teixeira, escreve sobre a morte de Leocádia. A repercussão do acontecimento, naquela época, originou a visitação  de populares na Semana Santa e dia de Finados, ao local onde está a Cova de Leocádia.

O projeto do Vereador Lino Teixeira, do ano de 1963, visava tornar de utilidade pública aquela área, em reconhecimento a devoção  popular e importância histórica de  Leocádia.

Foi aprovado o projeto no ano de 1963, pela maioria dos vereadores da época. Entretanto, não foi sancionado e nem executado a desapropriação daquela  área, pelo Prefeito Municipal. A intenção do prefeito era não desagradar os seus proprietários.

O prefeito, em exercício da  época, Charles Fernandes, reconhecendo a importância histórica da localização onde está à cova de Leocádia, através de decreto fez o tombamento do local, o que possibilitará o reconhecimento da área como de utilidade pública e a sua futura desapropriação.

 

Trecho do Livro Respingos históricos, de Domingos Antônio Teixeira “Teixeirinha”, sobre a história de Leocádia, página 68 e 69, do ano de 1991.

 

Certo dia, em 1905 ou 1908, procedente das vizinhanças de Brejinho das Ametistas, a jovem e matuta rapariga Leocádia chegou em Beija-flor. Ora, aquele tempo, quando ali chegava uma personagem dessa classe verificada sua presença no cabaré, célere corria o boato.

Assim que foi, já no dia seguinte, Dona Raquel veio saber da chegada da pobre matuta e, como era ciumenta ao extremo, desde logo passou a odiá-la fidalgamente. Poucos dias depois, não faltou quem lhe falasse que seu marido havia dado um vestido aquela mulher.

Dona Raquel, ciumenta e perversa, era casada com um fazendeiro, uma das principais figuras de Beija-flor na época, cujo nome aqui não citaremos em consideração a membros da família a que pertencia.

Subestimando o prestígio de que gozava o seu marido, ela contratou um “sujeito”, homem de maus instintos para matar Leocádia, certamente assegurando-lhe a impunidade do crime, contando que fosse praticado de acordo com sua ordem.

A pobre vítima, ignorando o tenebroso plano arquitetado por Dona Raquel para o seu assassinato, foi lavar a própria roupa nos pequenos “caldeirões” da “Caiçara’, nas proximidades do Arraial. Ali ela foi fria e barbaramente assassinada, seu cadáver mutilado, atado a blocos de pedra, atirado dentro do “caldeirão”!… Leocádia não foi mais vista em Beija-flor… Teria viajado?…

Alguns dias depois, quando o cadáver entrou em franca decomposição, alguém notou que a água de um dos “caldeirões” estava consideravelmente alterada exalando mau cheiro. Retirada então parte da água, observou-se que no fundo do “caldeirão” jazia o cadáver de uma mulher, amarrado a blocos de pedra, cujo peso impedia o natural flutuamente.

Imediatamente chegou ao Arraial a notícia do macabro achado e logo quase toda a população acorreu ao local, onde o Subdelegado, João Ferreira, procedeu o levantamento do cadáver e sua identidade, ficando constatado que a matuta rapariga fora ali assassinada e o seu cadáver lançado n”água do “caldeirão” e, como se achava em adiantado estado de putrefação, ali mesmo foi sepultado.

Leocádia havia sido a vítima de um monstruoso crime e, então, a solidariedade humana, em nenhum tempo nesta parte do Sertão, se manifestou tão expressiva e tão espontânea, porque a população emocionadamente abalada, pedia a elucidação do crime para a punição do culpado.

Naqueles dias teve início a tradicional visita à cova da “Leocádia”, que ainda hoje se faz ordinariamente nos dias da Sexta-feira da paixão e dos Finados.

Descoberto o crime e iniciadas as investigações, o assassino fugiu, indo homiziar-se na fazenda de Sinézio Bastos, em Parateca. Dona Raquel, cuja participação criminosa, também direta, ficou afinal provada, fugindo ao merecido repúdio da população e à ação morosa da justiça, logo se retirou para o Estado de São Paulo, onde passou o resto de sua vida.

Digitalizar0002

 

 

 

 

 

 

 

Digitalizar0001

 

 

 

 

 

 

pooo 006

 

 

 

 

 

 

 

 

Por José Bonifácio Teixeira

 

Anúncios

One thought on “DESAPROPRIAÇÃO DO IMÓVEL RURAL, ONDE ESTÁ LOCALIZADA A COVA DE LEOCÁDIA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s